O poema não parou

o mundo fez-se instante de dor 

o poema não parou

uma mulher ganhou a sorte grande

o poema não parou

o homem chorou

o filho morto

o poema não parou

aquele jovem perdeu

os sonhos

o poema não parou

um homem resgatou

o mar à morte

o poema não parou

os sonhos apodreceram

num homem

o poema não parou

vozes assaltaram

uma casa de penhores

o poema não parou

alguém se impôs

sem medo à morte

o poema não parou

uma alegria inundou

de luz um corpo 

o poema não parou

um homem perdeu o eu

o poema não parou

uma mulher se vendeu

o poema não parou

uma mulher caminhou

para lá do que a fazia forte

o poema não parou

aquela mulher

morreu na estrada

o poema não parou

uns dentes pensaram

o impensável

o poema não parou

um doente escarrou

saúde 

o poema não parou

um sol clonou o calor

o poema não parou

uma bomba de neutrões

dançou twist

o poema não parou

uma miúda emudeceu

de tristeza

o poema não parou

um pesadelo cumpriu

pena de prisão

o poema não parou

alguém sucedeu

a si próprio na morte

o poema não parou

alguém viu sonhos

voarem na noite

o poema não parou

um homem empreendeu

a construção de si

o poema não parou

ou terá parado

e ninguém deu por isso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s