Manhã

Fico a olhar o tecto até a respiração normalizar
A pomba aquieta-se por cima dos seus olhos
Beijo-a até acreditar
Quase até ser feliz
Deixo durar o instante para lá do possível
Quase à terra de ninguém
Onde as coisas começam a ser e não há gestos fabricados
Largo a pomba
Melhor
Deixo-a escapar-se entre os dedos
O tempo retoma o seu incessante e monótono trabalhar
E eu levanto-me pronto para mais um dia de trabalho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s